Bahia, 29 de fevereiro de 2024 às 21:59 - Escolha o idioma:

BYD pretende dobrar número de empregos de sua fábrica no Polo de Camaçari


- Crédito da Foto: Reprodução/BYD - Publicado em: 17 de janeiro de 2024


Previsão inicial era de 5 mil empregos; agora, serão gerados 10 mil postos de trabalho, entre empregos diretos e indiretos

 

A companhia chinesa BYD anunciou que vai dobrar o número de empregos previstos para a primeira fase da fábrica no Polo Industrial de Camaçari. A previsão inicial era de 5 mil empregos. Agora, serão gerados 10 mil postos de trabalho, entre empregos diretos e indiretos. A primeira fase do investimento para a instalação da fábrica soma R$ 3 bilhões. As obras de instalação começam no próximo mês de fevereiro e o início da operação está previsto para o final deste ano ou começo de 2025.

A decisão de antecipar a abertura de vagas de trabalho visa acelerar ao máximo o início de produção de veículos na unidade e foi tomada depois que o governo brasileiro anunciou a retomada do Imposto de Importação em carros 100% elétricos, suspensa desde 2016, e a elevação do tributo para os híbridos, afirmou Marcelo Schneider, diretor institucional da BYD, durante o Brazil China Meeting, no Sudeste da China— uma iniciativa Lide e Valor, com apoio institucional do Globo e CBN.

Segundo Schneider, a BYD também vai fazer alterações na planta da fábrica no Polo de Camaçari. “Em fevereiro iniciaremos uma obra de expansão. Vamos, praticamente, criar uma nova fábrica, uma nova estrutura”, disse. Com capacidade inicial para produzir 150 mil veículos por ano, posteriormente esse número pode alcançar 300 mil unidades anuais.

Maior unidade

A planta da BYD no Polo de Camaçari será a maior fábrica de automóveis da companhia fora da China. Segundo informações da empresa, a promulgação da reforma tributária vai incentivar ainda mais a produção automotiva nacional e o cenário econômico positivo do Brasil contribuem para os planos de investimento da BYD no país. A reforma tributária manteve os incentivos fiscais da União para as empresas do Nordeste e Centro-Oeste.

Ainda de acordo com a BYD, a prioridade é valorizar a mão de obra local, através da capacitação e integração entre os trabalhadores brasileiros e chineses. “Vamos começar em breve os processos de seleção e qualificação. Nosso sonho é transformar a região Nordeste em um centro de inovação, não só para o Brasil, mas para toda a América Latina. Nós também vamos oferecer bolsas de estudo para que estudantes possam ir à China adquirir aprendizado e aplicar na sua realidade”, afirmou Stella Li, vice-presidente executiva global e CEO da BYD Américas.

Bahia.ba