Bahia, 16 de abril de 2024 às 02:09 - Escolha o idioma:

Haddad: Alta de 2,9% do PIB em 2023 passa confiança e reitera expectativa de 2,2% para 2024


- Crédito da Foto: PT - Publicado em: 2 de março de 2024


 
O ministro da Fazenda, Fernando Haddad , afirmou nesta sexta-feira que o crescimento de 2,9% registrado pela economia brasileira em 2023 é “positivo” para o país e passa “confiança”, indicando que o governo segue com expectativa de expansão de 2,2% neste ano.

Em entrevista coletiva em São Paulo, Haddad avaliou que o afrouxamento da política monetária deve ajudar a economia e que há espaço para mais cortes de juros e mais crescimento. Ele apontou para a política restritiva do Banco Central como um dos fatores da desaceleração econômica no segundo semestre do ano passado.

“Fechar o ano em 2,9% é bastante positivo para o Brasil, passa para o mercado nacional, internacional… uma confiança na economia brasileira”, disse o ministro.

“Nós continuamos mantendo a nossa projeção de 2,2% neste ano”, acrescentou, classificando o número esperado para 2024 como “comedido”. Segundo o ministro, já “tem gente falando em mais”.

Receba matérias especiais do Money Times + recomendações de investimentos diretamente em seu WhatsApp. É só clicar aqui e entrar na In$ights, comunidade gratuita.

O IBGE divulgou nesta sexta-feira que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 2,9% no ano passado, diante de um desempenho recorde da agropecuária, mas com estagnação no quarto trimestre.

Para este ano, Haddad pontuou que a continuação do ciclo de crescimento econômico no Brasil dependerá, principalmente, do comportamento da inflação, do contínuo afrouxamento da política monetária pelo BC e do controle das contas públicas.

Ele também disse que serão necessários mais investimentos no país, para que a economia possa crescer de forma “saudável”, e a aprovação de reformas econômicas adicionais no Congresso, o que permitiria um crescimento mais “estrutural” do que “conjuntural”.

Questionado sobre a arrecadação federal em fevereiro, Haddad afirmou que o governo está vendo uma evolução “bastante compatível” com janeiro, quando as contas públicas registraram a melhor arrecadação para todos os meses da série histórica da Receita Federal, iniciada em 1995.

O ministro ainda pontuou que o crescimento da arrecadação não está sendo causado apenas por elementos “extraordinários”, como a implementação de medidas no ano passado para taxação de “offshores” e fundos exclusivos.

“Mesmo excluindo da conta essas eventualidades, que vai entrar uma vez e não vai entrar mais, a arrecadação tem indo bem, inclusive da previdência.”

No final deste mês, o Tesouro Nacional divulgará o primeiro relatório bimestral do ano sobre as receitas e despesas do governo, momento em que ficará mais evidente se a equipe econômica conseguirá cumprir a meta fiscal de defícit zero para 2024.

reuteres