Bahia, 18 de julho de 2024 às 08:17 - Escolha o idioma:

Lula diz que vai decidir nesta quinta (13) futuro de ministro indiciado sob suspeita de corrupção


- Crédito da Foto: Reprodução/@juscelinofilho - Publicado em: 13 de junho de 2024


Segundo a PF, Juscelino Filho (União Brasil-MA) integra uma organização criminosa responsável por desvios de dinheiro público da estatal federal Codevasf

 

O presidente Lula (PT) disse que vai “tomar uma decisão” nesta quinta-feira (13) sobre o futuro do ministro das Comunicações, Juscelino Filho (União Brasil-MA), indiciado pela Polícia Federal sob suspeita de corrupção e organização criminosa.

“Eu acho que o fato de o cara estar indiciado não significa que o cara cometeu um erro. Significa que alguém está acusando e a acusação foi aceita. Agora, eu preciso que as pessoas provem que são inocentes. E ele tem o direito de provar que é inocente. Eu não conversei com ele. Vou conversar hoje e vou tomar uma decisão sobre esse assunto”, disse Lula em Genebra, segundo o jornal Folha de S. Paulo.

Segundo a PF, o ministro integra uma organização criminosa e cometeu o crime de corrupção passiva relacionado a desvios de recursos de obras de pavimentação custeadas com dinheiro público da estatal federal Codevasf.

Juscelino criticou a atuação da Polícia Federal. “Trata-se de um inquérito que devassou a minha vida e dos meus familiares, sem encontrar nada. A investigação revira fatos antigos e que sequer são de minha responsabilidade enquanto parlamentar”, afirmou em nota.

Lula chegou à cidade suiça às 6h24 da manhã (1h24 da manhã em Brasília) e seguiu para o hotel Président Wilson, às margens do lago Léman. À tarde, discursa na sede da ONU (Organização das Nações Unidas) no encerramento do fórum da Coalizão Global pela Justiça Social, iniciativa da Organização Internacional do Trabalho (OIT) para discutir soluções para questões trabalhistas em todo o planeta.

O evento ocorre em meio à programação da Conferência Internacional do Trabalho, realizada anualmente pela OIT, reunindo representantes de governos, trabalhadores e empregadores.