Bahia, 22 de maio de 2024 às 09:41 - Escolha o idioma:

Pesquisa Ipsos: Temer tem apenas 4% de aprovação


Publicado em: 4 de março de 2018


(Foto Antônio Cruz ABr)

Henrique Meirelles e Rodrigo Maia aparecem com 5% e 4% de aprovação; e Alckmin e Bolsonaro com 20% e 24% 

Jornal GGN – Segundo resultados da pesquisa de opinião pública, ‘Estadão/Ipsos’, realizada todos os meses, o presidente Michel Temer tem apenas 4% de aprovação e desaprovação de 93%. O emedebista cogita disputar o pleito faltando apenas sete meses para as eleições presidenciais.
A Ipsos não é considerada um levantamento sobre intenção de votos. Os pesquisadores do instituto falam os nomes de alguns políticos perguntando aos entrevistados se aprovam ou desaprovam a maneira como vêm atuando no País.
Dados foram recolhidos na primeira quinzena de fevereiro, com 1.200 pessoas em 72 municípios e não chegaram a captar os efeitos da intervenção federal com o uso das Forças Armadas na segurança pública do Rio de Janeiro. A margem de erro é de 3 pontos percentuais.
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), possível candidato, tem a aprovação de apenas 5% da população, mesmo com a notícia do crescimento de 1% do PIB em 2017, após dois anos de retração.
Outro aspirante ao Planalto, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM) tem taxas de aprovação de 4%. As taxas de desaprovação (cerca de 70%) e aprovação dos dois (cerca de 28%) são também semelhantes.
O pré-candidato do chamado “centro” com a melhor colocação é o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), que atingiu aprovação de 20% dos eleitore e desaprovação de 68%. Segundo o Ipsos, houve pouca oscilação nas porcentagens do tucano no levantamento dos últimos três meses.
Bolsonaro (sem Lula)
A Ipsos também submeteu o nome do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) as pesquisas, mas não divulgou dados sobre o ex-presidente Lula, apontando para o descarte do Estadão quanto a participação do petista nestas eleições.
Bolsonaro aparece com 24% da aprovação, oscilando três pontos para cima desde o levantamento de um mês atrás, e desaprovação de 58%.