Bahia, 14 de agosto de 2022 às 09:45 - Escolha o idioma: pt Português

‘Se provarem algo errado, devo pagar conforme a lei’, diz secretário de Saúde de Feira de Santana após operação da PF


- Crédito da Foto: Aldo Matos/ Acorda Cidade - Publicado em: 4 de agosto de 2022


Na manhã de hoje, a Polícia Federal deflagrou uma operação para cumprir mandados judiciais de busca e apreensão na Secretaria de Saúde.

 

Investigado na Operação No Service da Polícia Federal, o secretário de Saúde de Feira de Santana, Marcelo Brito, informou em contato com o repórter Ed Santos do Acorda Cidade que se algo ficar provado contra ele, irá pagar conforme a lei.

Na manhã desta quinta-feira (4), a Polícia Federal deflagrou uma operação para cumprir mandados judiciais de busca e apreensão na Secretaria Municipal de Saúde, na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Queimadinha, no Paço Municipal e em um hotel da cidade, onde o secretário costuma ficar hospedado.

Informado das investigações contra ele, o secretário, que está em Londres, capital da Inglaterra, há três dias, de férias com a família, disse que pensou em cancelar o passeio, mas logo viu que não era necessário.

“É direito da PF requerer a busca e direito da juíza em autorizar. Meu dever é de facilitar a investigação. Se provarem algo errado, devo pagar conforme a lei. Se não provarem fica apenas o dano moral, passível de reparação”, declarou Britto .

Ele disse ainda que não tomou conhecimento da operação policial e que a passagem para Londres já estava comprada há dois meses. O secretário declarou ainda, por telefone, que foi orientado pelo advogado Guga Leal a não fazer nenhum tipo de áudio comentando essa operação, só depois que o representante jurídico apurar os fatos.

Dinheiro apreendido em hotel | Foto: Polícia Federal

Sobre a quantia em dinheiro no valor de R$ 50 mil, que foi encontrada na casa do secretário, Marcelo Brito informou que o montante consta na declaração do Imposto de Renda dele e guarda esse dinheiro por precaução. E como ele está afastado por 60 dias, as investigações podem parar ou prorrogar e até antes disso, a Justiça pode tomar a decisão de cassá-lo.

Na manhã de hoje, a Prefeitura Municipal de Feira de Santana também emitiu uma nota comentando os fatos.

De acordo com a Secretaria de Comunicação, até o momento não receberam informações oficiais da PF e, até o momento, a investigação apura supostas irregularidades na contratação de consultoria na área de Saúde.

Veja a nota na íntegra:

‘A Prefeitura Municipal de Feira de Santana vem a público, com o intuito de evitar o desencontro de informações sobre a operação da Polícia Federal realizada na manhã desta sexta-feira (4), onde até o momento não há maiores informações oficiais da PF. Até aqui a investigação apura supostas irregularidades na contratação de consultoria na área de Saúde.

A Prefeitura de Feira de Santana reitera o compromisso com a transparência pública e a manutenção do bem estar da nossa população, colaborando ativamente com a Justiça para apuração dos fatos.

A Prefeitura não compactua com qualquer tipo de ilicitude. Acompanharemos o desenrolar do processo para esclarecimento dos fatos e estabelecimento da verdade e da Justiça.’

Com informações do repórter Ed Santos do Acorda Cidade.