Bahia, 14 de agosto de 2022 às 09:07 - Escolha o idioma: pt Português

Vereador afirma que irregularidades na Secretaria de Saúde de Feira de Santana já vinham sendo apontadas pela Câmara Municipal


Publicado em: 4 de agosto de 2022


O vereador Silvio Dias (PT) disse, na manhã desta quinta-feira (4), em entrevista ao Acorda Cidade, que as irregularidades apontadas, pela Polícia Federal (PF), na Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Feira de Santana já vinham sendo denunciadas na Câmara de Vereadores, através da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde.

Hoje, a PF afastou o titular da pasta, Marcelo Britto, e o secretário de Governo, Denilton Brito, suspeitos de fraudar licitações para contratação de empresa do gestor da Saúde. A finalidade seria a realização de consultorias na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Queimadinha. Segundo o inquérito, os valores estavam superfaturados.

“Em setembro de 2021, por meio de um requerimento do meu mandato, foi instalada a CPI da Saúde e, naquele momento, foi apontado que havia irregularidades, tanto na contratação dessas empresas especializadas de mão de obra, quanto na contratação de consultorias, em que os indícios relatavam que o secretário Marcelo Britto havia sido contratado, antes de ser secretário, e as investigações indicavam que ele não tinha prestado. A CPI trouxe novos elementos, novas irregularidades, trazidas à tona, agora, nesta operação policial da Justiça Federal”, destacou Dias.

O parlamentar relembrou, ainda, a Operação Pityocampa, deflagrada, pelo Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA), no dia 18 de dezembro de 2018. Na ocasião, o órgão denunciou 11 pessoas, por crimes de organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, cometidos em um esquema fraudulento de licitações e superfaturamento de contratos celebrados pela Coofsaúde Cooperativa de Trabalho com a Prefeitura de Feira de Santana. A ação culminou na prisão de várias pessoas e no bloqueio de bens de diversos atores políticos do município.

Dias atribui o que classifica como “atendimento de saúde ruim” a todas estas situações. “São irregularidades conhecidas, principalmente, pela nossa população, que quando procura posto médico, atendimento nas policlínicas e nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), não encontra. Quando procura por exames e medicamentos, não tem acesso. Isso é algo conhecido por toda a Feira de Santana. E, por meio dessas denúncias trazidas à Câmara e do requerimento que gerou a ação policial, tenho certeza, muito mais será trazido à tona, do que há de podre dentro da saúde, em nossa cidade, na prestação do serviço público da Secretaria de Saúde”, frisou.